POSTAGENS RECENTES NO BLOG

A RUA DOS CATAVENTOS

Da primeira vez que me assassinaram,
Perdi um jeito de sorrir que eu tinha.
Depois, a cada vez que me mataram,
Foram levando qualquer coisa minha.

Hoje, dos meus cadáveres eu sou
O mais desnudo, o que não tem mais nada.
Arde um toco de Vela amarelada,
Como único bem que me ficou.

Vinde! Corvos, chacais, ladrões de estrada
Pois dessa mão avaramente adunca
Não haverão de arrancar a luz sagrada!

Aves da noite! Asas do horror! Voejai!
Que a luz trêmula e triste como um ai,
A luz de um morto não se apaga nunca!
Mario Quintana


Fonte de pesquisa da imagem, AQUI

2 comentários

  1. Sandra quando li o livro, não resisti e escrevi:


    da Florentino de Paula




    Eu também escrevo diante da janela aberta.
    Minha caneta não é da cor de suas venezianas
    - elas são da cor do pêssego, e a tinta que
    tinge este poema não é verde - é da cor da noite:
    Preta!
    Não sei que paisagem há lá fora
    Não sei se há um paisagista doidivanas
    Mas certamente há outros pintores
    mesclando a noite com outras cores.
    Ah Poeta, também vago solúvel no ar,
    também fico sonhando...irisando...
    Já nem penso – simplesmente escrevo tingido.
    Estremeço-me e me transmuto em tua paisagem.
    Ah e quem me dera, Poeta, ter morado na rua dos cataventos.

    Paulo Francisco

    beijogrande

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simplesmente encantada, Paulo! Um comentário em poesia...obrigada.
      Bj amigo S2

      Excluir

Deixe seu contato para receber notificaçõe por e mail

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...