POSTAGENS RECENTES NO BLOG

Essas palavras que escrevo me protegem da completa loucura.

Charles Bukowski

ATÉ BREVE


Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.

Eclesiastes 3:1





O QUE TEMOS PRA COMEMORAR HOJE?



Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas, em relação ao universo, ainda não tenho certeza absoluta.
Albert Einstein Die Philosophin - Volume 7,Edição 13 -Volume 8,Edição 16 - Página 60, Edition Diskord, 1996.
Fonte: Pensador




BOLSONARO: SEU EU CHEGAR LÁ, NÃO TERÁ UM CENTÍMETRO DEMARCADO PRA RESERVA INDÍGENA...

As fotos de animais carbonizados e incêndios na Amazônia são

BRUNO KELLY / REUTERS

Um trecho da floresta amazônica queimada e desmatada em Novo Airão, Amazonas, Brasil, no dia 21 de agosto de 2019. 

E fascismo que se fala, né?






ASSIM FALOU DARCY RIBEIRO




"Fracassei em tudo o que tentei na vida.
Tentei alfabetizar as crianças brasileiras, não consegui.
Tentei salvar os índios, não consegui.
Tentei fazer uma universidade séria e fracassei.
Tentei fazer o Brasil desenvolver autonomamente e fracassei.
Mas os fracassos são minhas vitórias.
Eu detestaria estar no lugar de quem me venceu."





MUITO EU...


EU POEMO

Viajante sem rota
sem mapa ou rumo
às vezes sou chegada
outras vezes sumo
se me perco ou desoriento
despreocupada me envolvo com o vento 
e poemo !
Sandra May / 2015



EM RECESSO, ATÉ BREVE!


  1. Lindo Broche e o poema maravilhoso

    bjokas =)
    ResponderExcluir

    1. Vcs são muito especiais...!
      Obrigada,
      Bjs
      Excluir
  2. Sensibilidade, lindo, queria também poder poemar. Bjs
    ResponderExcluir
  3. Olá, gostaria de registrar que gostei de mais desse site.
    Já virei um seguidor. Aproveito para convidá-lo a conhecer também
    o nosso blog. Ficaremos felizes por vossa visita e mais ainda se
    seguir-nos.

    Mensagem edificante para alma.
    Josiel Dias
    http://josiel-dias.blogspot.com
    Rio de Janeiro
    ResponderExcluir

    1. Obrigada, assim que estiver num Pc visitarei o blog, com muito prazer.
      Obrigada.
      A pax!
      Excluir
  4. Lindo o seu cantinho e adorei o poema! Recheado de sentimento <3 beijos!
    http://resenhandoaarte.blogspot.in/
    ResponderExcluir

    1. Obrigada, vou visitar o seu também.
      Bjinhos
      Excluir
  5. Vento e brisa são carícias que só podem resultar na joia acima: EU POEMO, TU POEMAS...
    Não me surpreenderia se o broche e o vestido também fossem autorais, se é que não são...
    ResponderExcluir

    1. Não são não...rs!
      Feliz Ano Novo, Edward!
      Excluir
  6. Sandra May, foste demais
    Nesse poema tão lindo!
    Eu continuo sentindo
    Os ecos daqueles ais

    De sentir aonde tu vais
    Sem rumo, mas a estar indo
    Ao encontro do ser bem-vindo,
    Cujo ser és tu, teus pais,

    Teus avós e ancestrais
    Que formam os tensos estais
    De um mastro erguido ao infinito

    Que aponta sempre ao destino
    Enorme, terno e divino
    E sobretudo, bonito!

    Parabéns, querida! Deus seja louvado! Grande abraço! Laerte.
    ResponderExcluir
  7. Poema sempre, que a sua inspiração não lhe falte.
    Magnífico poema, gostei imenso.
    Sandra, continuação de boa semana.
    Beijo.
    ResponderExcluir
  8. What a stunnimg post! I enjoyed this so much imfo ♡ cant wait to read more ♡♡
    Thanks beaut

    Jadieegosh
    ResponderExcluir
  9. A bússola do caráter e de nosso instinto de viver, nunca nos abandona.
    Abraço

MADEIRA DE LEI VIVER

Imagem:Pixabay

Bem mais que no mundo
De tudo fujo, todo sujo de esperança
Branca lembrança da espera criança
Na ânsia do Viver

Sempre no refúgio
Do sorriso mais puro, ou num urro
No berro do serrote a comer
Madeira de Lei viver

O machado (sofrer) faz o talho
Retirando o orvalho da certeza crer
Que não basta nascer, crescer, morrer
É preciso sonhar o viver

Bem mais fundo
Que o poço sem fundo da solidão
Da profundidade do amar
Venho buscar-te, ó vida querida
Já és quase passado
Quase coisa esquecida

Traz-me a paz
Peneira que encobre a guerra
Mostra-me a luz
Que dissipa as incertezas da noite
Traga-me o amor, fantasia, enredo
Folclore de nossas vidas

Deixa-me vida, viajar
Na estrela rara e vulgar
Da vã consciência
Mas, buscando o meu "eu"
E o porquê de ser centelha
Da luz maior que é Deus.
Walter Moreno (2012)