POSTAGENS RECENTES NO BLOG

CIO DA TERRA

assim eu escrevi no dia 17 de maio no ano da graça de Nosso Senhor  Jesus Cristo de 2014




em noite descoberta e fria
uma esfera branca  no céu flutua
vestida de noiva e toda nua
despudorada ela afaga os navegantes
e os que nela repousam olhares
doces gigantes

não tem jeito... entre gritos, miados e pios 
lobos uivam babando
sangram nas sombras da noite
suspiros e sussurros

é madrugada
encerra-se o cio da vida
calam as bocas arfantes
e todos pegam no sono

por mais algum tempo a deusa
solitária na noite flutua
até a próxima cheia
fogo sagrado
sossego profundo!
Sandra May 










O LADO DESUMANO DA HISTÓRIA.

24 de setembro de 2015

Louca sou eu que não tenho fé no ser humano, que não tenho esperança. Você, mulher, você é sábia!
Sandra May

Você sabia?
 - 25 de março é o Dia Internacional em memória das vítimas da escravidão e do tráfico transatlântico de escravos.
 - No Brasil, 28 de janeiro é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. ( créditos da pequisa aqui )


Lavagem do ouro, Minas Gerais, 1880. (Foto: Marc Ferrez/Acervo Instituto Moreira Salles).


Negra com o filho, Salvador, em 1884 (Marc Ferrez/Acervo Instituto Moreira Salles).

Sem destinatário, endereço e o CEP

 3 de junho de 2015

Arte autoral


Só versos
Às avessas
Um pouco de ti cabe no meu coração
Eu inteira, numa palma de mão

O amor?
Mera ilusão
Que o tempo, quem dera...
Dele tivesse um pouco de compaixão!

Esse amor sem destinatário
Sem CEP
Nem endereço
Esse querer que não tem preço algum
É meu mundo

Eu, desconhecida e disfarçada
Sob a máscara, pelo  avêsso
Lanço os penúltiplos segredos
Num grito de socorro!

Meus sonhos...?
Meus sonhos?

"Estão vivos, não padeço."

Sandra May/2015










NA RODA DA SAIA RENDADA DA MOÇA QUE DANÇA CIRANDA

PASSEI POR UMA CATARSE EM 2018
Aleluia!!!

Desenho autoral



Se a gente tiver que "dançar", que seja um samba


"Quem não gosta de samba bom sujeito não é



é ruim da cabeça ou é doente do pé..."
Composição: Dorival Caymmi 

Imagem: Dominique Justen
Que as nossas armas sejam instrumentos de paz e fraternidade.




🎼Mesmo com todo emblema
 todo problema
todo sistema
 todo Ipanema
 a gente vai levando...🎼
Chico Buarque







JUSTICEIROS A POSTOS!

Petrópolis, 26 de setembro de 2015
Gente,
 vou republicar os textos antigos que coloquei como rascunho, não necessariamente na ordem que foram escritos, mas sempre editarei colocando a data da postagem original.

Brasil-verão-terra em chamas. Vamos lá, cidadãos de bem!   cidadãos brasileiros



Num dia demais ardente
Sem  sombra de dúvida
Vem a crueldade vestida de sangue
Apagar outra mancha da miséria

Mais um corpo estendido
Um grito contido
Outro calado
Emudecido

Quem foi?
Quem não foi?
Fui eu, foi você
A polícia, o bandido
O civil, o militar???

Fomos nós
Desorientados náufragos
De um planeta em chamas
Aos berros
Clamando: justiça!
Sandra May














PASSAGEM DO ANO


O último dia do ano
Não é o último dia do tempo.
Outros dias virão
E novas coxas e ventres te comunicarão o calor da vida.
Beijarás bocas, rasgarás papéis,
Farás viagens e tantas celebrações
De aniversário, formatura, promoção, glória, doce morte com sinfonia
E coral,
Que o tempo ficará repleto e não ouvirás o clamor,
Os irreparáveis uivos
Do lobo, na solidão.
O último dia do tempo
Não é o último dia de tudo.
Fica sempre uma franja de vida
Onde se sentam dois homens.
Um homem e seu contrário,
Uma mulher e seu pé,
Um corpo e sua memória,
Um olho e seu brilho,
Uma voz e seu eco.
E quem sabe até se Deus...
Recebe com simplicidade este presente do acaso.
Mereceste viver mais um ano.
Desejarias viver sempre e esgotar a borra dos séculos.
Teu pai morreu, teu avô também.
Em ti mesmo muita coisa, já se expirou, outras espreitam a morte,
Mas estás vivo. Ainda uma vez estás vivo,
E de copo na mão
Esperas amanhecer.
O recurso de se embriagar.
O recurso da dança e do grito,
O recurso da bola colorida,
O recurso de Kant e da poesia,
Todos eles... e nenhum resolve.
Surge a manhã de um novo ano.
As coisas estão limpas, ordenadas.
O corpo gasto renova-se em espuma.
Todos os sentidos alerta funcionam.
A boca está comendo vida.
A boca está entupida de vida.
A vida escorre da boca,
Lambuza as mãos, a calçada.
A vida é gorda, oleosa, mortal, sub-reptícia.
Carlos Drummond de Andrade