POSTAGENS RECENTES NO BLOG

A casa dita mal assombrada ou "A casa dos sete erros!"


DESAFIO: ONDE ESTÃO OS ERROS? - A CASA DOS SETE ERROS

A casa não tem sete erros, e sim, sete diferenças. Desafio você a observar essas diferenças...

Erguida em 1884, a casa foi a residência da família do financista José Tavares Guerra, construtor do imóvel, e ainda pertence à família. Tavares Guerra também idealizou o projeto da casa, construída pelo engenheiro alemão Karl Spangenberger. Nas obras foi utilizada mão-de-obra de imigrantes alemães em lugar da escrava.
Outros detalhes dignos de interesse na casa:
  • Cerca de duzentos painéis distribuem-se por toda a casa, pintados ao longo de dez anos pelo pintor austríaco Carl Schäffer;
  • O lustre, da fundição francesa barbedienne, o mesmo usado no Palácio de Versalhes, na França, é em bronze, banhado à ouro;
  • Na antiga sala de música, as pinturas no teto recordam as viagens feitas por Tavares Guerra aos Alpes Suíços, África, Bagdá, Egito,Índia e Palestina. E suas paredes são todas revestidas por papel de ouro.
  • O espelho das portas, utilizado no século XIX como proteção para evitar que mãos sujas danificassem a pintura e a madeira, foram colocados em alguns quartos do segundo andar, também na parte de baixo da maçaneta, por causa das crianças.
  • O jardim é projeto do paisagista e botânico francês Auguste François Marie Glaziou, o mesmo projetista dos jardins da Quinta da Boa Vista, sendo o único no Brasil que ainda conserva traçado original desse paisagista.
  • A sala de jantar, toda revestida em madeira de jacarandá, é utilizada para concertos e tem como melhor definição a do compositor maranhense César Nascimento: “É um grande violão”. Foi ainda a primeira residência em Petrópolis a empregar luz elétrica, em 1896.
  • Fonte de pesquisa: visitarpetropolis.wordpress.com/tag/casa-dos-sete-erros/

Casa da Ipiranga também conhecida como Casa dos Sete Erros ou ainda Mansão de Tavares Guerra e Casa Petrópolis,[1]localiza-se na cidade de Petrópolis, no estado do Rio de Janeiro, no Brasil. Atração turística da cidade, o seu apelido decorre de pequenas diferenças entre os telhados e as janelas dos lados esquerdo e direito do seu alçado principal (fachada).[2] Desde 2006 está aberta às visitas do público.[3] [4] [5]
Erguida em 1884, a casa foi a residência da família do financista José Tavares Guerra, construtor do imóvel, e ainda pertence à família.[2] Tavares Guerra também idealizou o projeto da casa, construída pelo engenheiro alemão Karl Spangenberger. Nas obras foi utilizada mão-de-obra de imigrantes alemães em lugar da escrava.
A casa mantém suas características originais,[2] com alguns espaços requalificados, como por exemplo a cocheira, que, transformada em bistrô, conserva as divisórias do estábulo e até mesmo os cochos com alfafa para os animais. A sala de jantar, toda revestida em madeira de jacarandá, é utilizada para concertos e tem como melhor definição a do compositor maranhense César Nascimento:"É um grande violão". Foi ainda a primeira residência em Petrópolis a empregar luz elétrica, em 1896.[6]
Outros detalhes dignos de interesse na casa:
  • cerca de duzentos painéis distribuem-se por toda a casa, pintados ao longo de dez anos pelo pintor austríaco Carl Schäffer;
  • lustre, da fundição francesa barbedienne, o mesmo usado no Palácio de Versalhes, na França, é em bronze, banhado à ouro;
  • na antiga sala de música, as pinturas no teto recordam as viagens feitas por Tavares Guerra aos Alpes SuíçosÁfricaBagdá,EgitoÍndia e Palestina. E suas paredes são todas revestidas por papel de ouro.
  • o espelho das portas, utilizado no século XIX como proteção para evitar que mãos sujas danificassem a pintura e a madeira, foram colocados em alguns quartos do segundo andar, também na parte de baixo da maçaneta, por causa das crianças.
  • O jardim é projeto do paisagista e botânico francês Auguste François Marie Glaziou, o mesmo projetista dos jardins da Quinta da Boa Vista, sendo o único no Brasil que ainda conserva traçado original desse paisagista.
  • Fonte de pesquisa: Wikipédia

Passeando pela avenida Ipiranga, aqui em Petrópolis, vejo os casarões, cocheiras e toda uma linda arquitetura de época. Estou postando estas imagens com certo cuidado, pois não quero enganar você que me visita. Lamentavelmente, não é o que parece. Em si, é...mas esteja avisado quando visitar minha amada terra, de que as coisas poderiam ser bem melhores nessas terras imperiais!
I M SORY...
Sandra May


Nenhum comentário

Deixe seu contato para receber notificaçõe por e mail

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...