POSTAGENS RECENTES NO BLOG

CONGRESSO INTERNACIONAL DO MEDO

Provisoriamente não cantaremos o amor,
que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos.
Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços
não cantaremos o ódio, porque esse não existe,
existe apenas o medo, nosso herói e nosso companheiro,
o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,
o medo dos soldados, o medo das mães, o medo das igrejas,
cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,
cantaremos o medo da morte e o medo depois da morte.
Depois morreremos de medo
e sobre nosso túmulo nascerão flores amareladas e medrosas
Carlos Drummond de Andrade












2 comentários

  1. Linda poesia.
    Retribuindo a visita e seguindo pela Agenda dos blogs
    http://vaidadesdecriancas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Deixe seu contato para receber notificaçõe por e mail